Home » Coisas dela

“E o casório, sai quando?”

2 dezembro 2010 19 Comentários       Postado por Mayara Godoy

Quem namora há um bom tempo (ou, às vezes, nem tanto tempo assim) já deve ter ouvido essa pergunta reiteradas vezes. O questionamento vem de variadas formas e direções. Alguns são ainda menos sutis: “E aí, quando é que você vai parar de enrolar a moça?”.

De uma maneira ou de outra, como se não bastassem as toneladas de dúvidas e aflições com as quais precisamos lidar quando o relacionamento atinge um estágio avançado, ainda temos de ter jogo de cintura para suportar a pressão da sociedade. E a pressão é grande.

A cobrança pela união em matrimônio é tanta que, às vezes, o próprio casal começa a se questionar se realmente não está na hora de juntar as escovas de dentes.

Mas o fato é que ninguém deveria se casar por pressão, para satisfazer A ou B, mas sim quando sentir que é a hora. É natural e até compreensível que as pessoas ao nosso redor fiquem ansiosas pelo casamento – especialmente as famílias –, mas deve-se levar em consideração que, às vezes, um mínimo de planejamento é necessário.

Alguns casais levam mais tempo, outros menos, para amadurecer a ideia. Afinal, não é do dia para a noite que se decide passar o resto da sua vida com outra pessoa. Mas o importante é que, quando houver uma vontade comum de dividir uma vida, esse passo seja dado exclusivamente pela vontade do casal, e não para atender os anseios de quem quer que seja.

Um ótimo exemplo é a história da Aline, que nos enviou o seguinte texto por e-mail:

Sou a Aline, tenho 26 anos, namoro há 10 anos e estou na fase de pré-preparativos para o casório… É uma fase complicada, porque não posso fazer nada enquanto não sai o financiamento da minha futura casa.

Queria pedir licença para vocês e contar um pouco da nossa vida em comum, da nossa história…

Um monte de gente se assusta quando eu falo que eu namoro há 10 anos. Eu sei que é muito tempo. E o pessoal pergunta: “mas quem está enrolando quem?”. A resposta é simples: ninguém está enrolando. Mas o que eu poderia fazer, não é? Casar aos 20 anos, sendo estagiaria e fazendo faculdade? Como? Eu sei que muita gente faz isso. Eu não recrimino, mas não é pra mim. E meu namorado, ou melhor, noivo (não consigo acostumar) também pensa assim: a razão antes.

Acho que esse é um dos motivos pra estarmos há tanto tempo juntos e não termos terminado nenhuma vez…

Quando começamos a namorar, ambos tínhamos vindo de relacionamentos que terminavam e voltavam a todo momento, por isso, deixamos claro logo no começo: “se terminar, não tem volta”. E seguimos isso até hoje…

Tivemos inúmeras brigas, falamos que íamos terminar, mas quando a coisa estava realmente ficando séria e partindo para o fim, um dos dois recuava e acabava com a briga ao invés do namoro…

Eu sou uma pessoa muito emotiva, que chora quando está com raiva, que chora quando está triste, chora quando fica muito nervosa e até quando está feliz. (É, eu sei eu choro muito… Meu noivo odeia isso em mim; eu também) Mas, olhando para trás, eu percebo que, muitas vezes, acabamos agindo muito com a razão antes de tudo… No meio do tornado de emoções, a nossa razão estava lá pra nos impedir de fazer besteiras, para colocar o nosso pé no chão.

A história da Aline veio a calhar enquanto eu escrevia este post. Ainda que resumidamente, ela conseguiu demonstrar como um relacionamento pode, sim, ser duradouro e baseado na sabedoria e na maturidade – coisa que, muitas vezes, nem mesmo adultos conseguem.

E você aí, quando sai o casório? Hehehe… Brincadeira. E você aí, acha que o negócio é casar logo mesmo, ou que o importante é ter os pés no chão e dar passos lentos, porém certos? Opine!

Related Posts with Thumbnails
19 Comentários      Postado por Mayara Godoy
­
­

19 Comentários »

  • Rita disse:

    Ouço essa pergunta há uns 2 anos já. Namoro há 3.

    Apesar de, às vezes, bater aquela vontade doida de casar assim, rapidão, pra podermos ficar juntinhos todos os dias, sabemos que não é bem assim que as coisas funcionam…

    Tem que ter pé no chão, se organizar financeiramente e psicologicamente. Afinal, a empolgação não nos deixa enxergar que teremos muitos bons e maus problemas pela frente…

  • Diego Fávero disse:

    é um saco mesmo rs.. ainda mais depois que fica noivo .. eu ouço isso sempreeeeeee. As pessoas ficam mais preocupadas do que nós, em casar rs

  • Rafa disse:

    Putz…posso falar? Acho isso um PORRE !!!

    Namoro há 6 anos e 7 meses e ouço isso desde sempre…começamos com 18 anos, 1º ano da faculdade e até hoje ainda não temos casa própria ! As pessoas acham que é só casar e PLIM: cai uma casa do céu, uma estabilidade financeira para tanto e pronto !
    Que bom seria né?
    Eu mesma acho que já estamos prontos (emocionalmente falando) para casar, mas não temos um “teto” rsrs

    Isso é uma decisão estritamente pessoal do casal e as pessoas têm que respeitar !

    E além disso, ainda ouço a cobrança de que “logo logo fica tarde para engravidar” – isso pq só tenho 25 anos (mas isso é assunto pra outro post hahahaha)
    ;)

    beijocas

  • Luana HAzine disse:

    Hahaha, eu tb passo por isso, e olha que namoro só ha 2 anos, mas todos mundo já quer saber quando é que vai ter festinha pra comerem e beberem na faixa :S

    Eu pretendo ficar muitoooo tempo ainda com ele, mas nçao pretendo me casar ele também não e daí surge maisss uma discussão!

    Ah essa sociedade… ahahah

  • Thaise Pregnolatto disse:

    Acho que ninguém pode meter o bedelho na vida de ninguém. Acho tanto que considero um motivo válido para descer do salto e colocar o intrometidinho no lugar dele. Já fiz várias vezes e lamento não ter feito mais. Afinal, o mundo está cheio de oráculos que sempre sabem melhor do que você como viver sua própria vida…

    Mas acredito que tão tendencioso quanto os chatonildos de plantão é esse trecho: E você aí, acha que o negócio é casar logo mesmo, ou que o importante é ter os pés no chão e dar passos lentos, porém certos?

    E quem disse que quem casa logo pode não estar dando passos certos, hein?

    A generalização fica feia para os dois lados.

    Eu sofri o efeito contrário. Quando compramos nosso apartamento eu ouvia de todos os lados: MAS JÁÁÁÁÁÁÁÁ?

    Não pensava duas vezes para responder: Ué…não sabia que tinha tempo pré-determinado e não sabia que você contava meu tempo de namoro.

    Eu particularmente não gosto de situações sem evolução e acho que jamais encararia um namoro longo nessa altura da minha vida. Funcionou bem quando eu tinha 15 anos, mas eu me sentiria estagnada. Acho que a gente simplesmente SABE quando é a pessoa certa. O desenvolvimento emocional vem como consequência de uma série de variantes – inclusive dessa certeza, provavelmente única na nossa vida. E não vejo porque ficar anos e anos esperando se houver condições financeiras de bancar um lar – seja ele próprio ou alugado.

    Acho que quem quer mesmo ficar junto de uma vez dá um jeito e acho que racionalizar demais pode ser prejucial – o que não quer dizer que as pessoas tenham que abandonar suas casas e viver de amor debaixo da ponte.

    Mas do jeito que foi colocado, parece que só dá certo (e só é certo) se existem anos e anos de preparação emocional e financeira pós rituais de auto-conhecimento…corta essa! Uma pessoa bem próxima a mim namorou 17 anos e com 3 de casamento está infeliz e beirando o divórcio…e meus pais, por exemplo, casaram sem um real no bolso, com 1 ano de namoro… com casa alugada 2 semanas antes do casamento, passaram lua-de-mel em Caraguatatuba e estão juntos (e felizes!) há 29 anos. Ambos dizem que foi a melhor coisa que fizeram e que se ficassem esperando, sempre teriam outra coisa para esperar…e assim sucessivamente.

    Regra furadíssima. Nem tudo que é feito devagar é certo e nem tudo que é feito rapidamente é precipitado. E as variáveis são infinitas…

    Casamento é apostar o que você tem de mais importante (sua vida) na mão de outra pessoa. Não é para qualquer um. Mas não é nenhum bicho de 7 cabeças.

    Para algumas pessoas, prioridade é ter casa própria, para outras é fazer festa, para outra é simplesmente ficar junto de vez, no matter what.

    Eu estou no último grupo. Não tem nada na minha vida que eu queria mais do que dormir e acordar todo dia com ele…e eu não preciso de mais uns anos para ter certeza disso.

  • Felipe Marques disse:

    Pouco importa se você namora a um mês, um ano ou dez anos. O importante é que a vontade de casar tem que vir de ambas as partes. Sobre racionalizar se é bom casar com dinheiro ou não, isso varia de casal pra casal. Eu particularmente, ao contrário da amiga aí em cima, casar envolve muitas responsabilidades e consequentemente, dinhiero também porque você precisa botar comida em casa, pagar contas e muitas outras coisas que não preciso ficar citando aqui e, sabemos também que a nível de “Brasil”, as coisas aqui não são baratas. Agora sobre intrometidos de plantão, eu acho que cada macaco no seu galho, afinal de contas, sabemos bem que, quando estamos felizes com a pessoa amada, isso SEMPRE vai incomodar os outros.

    Abraço a todos.

  • Thaise Pregnolatto disse:

    Não disse que não envolve responsabilidades e muito menos pouco dinheiro. Estamos pagando sozinhos apartamento, festa, lua-de-mel e todos os outros gastos da nossa vida sem ajuda então eu sei BEM quanto custa. O que eu quis dizer é que não precisa esperar ter dinheiro para comprar apartamento para casar. Tem aluguel que vale a pena sim, existe sim a possibilidade de juntar dinheiro e comprar uma coisa melhor daqui um tempo (mesmo porque pagar tudo-ao-mesmo-tempo-agora é beeeem complicado) etc etc etc tudo isso envolve responsabilidade. A minha colocação é que se você está esperando ter dinheiro para comprar o apartamento, depois vai esperar ter dinheiro para fazer a pós, depois vai esperar ter dinheiro para passar um ano no exterior, depois vai esperar ter dinheiro para abrir seu próprio negócio e vai esperar isso e aquilo e aquilo…a chance é que você simplesmente não case nunca.

    Como eu disse, ninguém tem que sair declarando independência para morar debaixo da ponte e viver de amor. Mas você definitavemente não precisa esperar virar o CEO da empresa onde trabalha….

    As pessoas falam tanto em prioridades…eu simplesmente acho que você pode trabalhar em várias concomitantemente. Posso estar dando um super up na minha carreira (e estou) ao mesmo tempo em que organizo meu casamento e a minha vida a dois. Não vejo como coisas necessariamente exclusivas.

  • lidiamanoel disse:

    Gente,impossível não me ‘pronunciar’…
    Eu e Manoel somos a maior prova de q é possível SIM juntar as escovas de dentes qdo os dois acreditam ser impossível ficar distantes um segundo sequer,mesmo q não se tenha sequer um gato…(Vide post 17 de Setembro…)
    Sem deixar de registrar q é tudo infinitamente mais difícil,mas a satisfação de contemplar as conquistas JUNTOS é indescritível!!!
    Concordo com a Thaise:dá pra buscar todos os objetivos pagando aluguel,tomando decisões profissionais e tal…
    E outra,essa de casar ou vender a bicicleta acontece sempre durante toda vida:hora certa pra ter os filhos,mudar de carreira,adquirir outro imóvel,comprometer a renda em algum projeto,etc.A VIDA é feita decisões,e q bom ser assim!
    E o amor não é matemática,não tem regra;cada DOIS encontram um caminho…
    ;D

  • Aline disse:

    Nossa, a idéia quando eu escrevi o texto não era causar polemicas…

    Eu só falei que pra mim não funciona, eu acho que pagar aluguel é um desperdicio, porque a parcela da nossa casa vai ser quase a mesma coisa do aluguel.

    Eu acho, só acho porque não casei ainda, que a mudança que você passa quando você casa é enorme, conheço gente que ta casada a 2 anos e não acostumou ainda, e não é falta de amor não, é só acostumar com a mudança.

    E nós não queriamos que agregada a dificuldade de adaptação estivesse a falta de dinheiro,hoje ainda vai apertar bastante, não sei se vamos conseguir fazer uma festa de casamento, mas a nossa casinha vai ser nossa.

    Pode ser que pra muita gente funcione sim casar logo, casar novo, mas não é o nosso caso, precisavamos amadurecer muito tanto emocionalmente qunto financeiramente,( ainda precisamos…rs) não sei pode ser que não de certo um ano depois qua a gente casar ( vcs não tem ideia do quanto eu ouço ” namorando a tanto tempo assim depois que casar nao dura um ano), pode ser que dure muito tempo, que é o que a gente quer é claro. Mas pelo menos sabemos que fizemos as coisas do nosso jeito e no nosso tempo.

  • ManoLinks [9] | Blog dos Manolos disse:

    […] [TEXTO] E o casório sai quando? […]

  • Thaise Pregnolatto disse:

    Aline,

    Não é questão de polêmica. A Lídia foi perfeita. Cada dois encontra seu caminho. O que não pode é generalizar – como eu achei que o texto fez.

    Você não precisa estar casada para encarar mudanças, elas acontecem o tempo todo na nossa vida. E se for para encarar mudanças, que sejam tão boas quanto morar com quem a gente ama e estabelecer ritmo de vida juntos, ué! ;) Ninguém disse que é fácil…e não é mesmo. Mas começar uma vida vai ser sempre difícil. Começar qualquer coisa do zero é difícil, não precisa ser um casamento. E aí mais uma vez vou concordar com a Lídia: É MARAVILHOSO batalhar e conquistar coisas juntos. Eu e meu noivo nos aproximamos muito mais depois de comprar nosso apartamento. Cada final de semana que a gente abdicou de um bom restaurante, uma balada, um passeio ou uma viagem funciona para a gente como sacrifício pela nossa vida juntos. Ficamos de pijama em casa vendo filme a noite, filamos mil refeições na minha mãe para não gastar com comida e ouvimos muita gente dizer que a gente tinha “sorte” por comprarmos sozinhos nosso apartamento antes dos 30.

    Não é sorte. É muuuuuuuita força de vontade, muito planejamento e mais do que isso: muita vontade de não ter que mais dar tchau um pro outro no domingo a noite.

    E cuidado com verdades absolutas: tenho um amigo economista que me provou por a + b que hoje no Brasil compensa mais alugar do que comprar. Especialmente se você não tiver uma boa quantia no FGTS para usar (eu tenho, meu noivo não). Mas a gente queria sim uma coisa nossa, não importando o que os dados diziam. Mais uma vez, copio a Lídia: são decisões que a vida pede para que a gente tome o tempo todo, independente de casamento.

    Eu acredito mesmo que em determinados momentos da vida a gente tenha que escolher. Simples assim. Mas escolher pelo casamento não pode ser definido como um erro ou um acerto baseado no tempo de namoro. E não se pode afirmar de maneira nenhuma que os passos lentos são os que trazem mais certezas na vida de alguém. Estou eu aqui para provar isso, a Lídia, a história dos meus pais e tantos e tantos outros.

    Porque o escopo é sempre ser feliz, não? E tempo de namoro não é garantia nem de felicidade, nem de certeza, nem de responsabilidades de um casal…Não mesmo. E nisso eu bato o pé e poderia escrever todo um outro tópico mencionando até Freud e como as pessoas justificam as incertezas através da não-tomada de decisões…hahahahaha Mas não. Porque regras de generalização simplesmente não se aplicam. Nem para um lado, nem para o outro.

  • Mayara (author) disse:

    Olha, Ise, não se ofenda. Não foi a intenção “generalizar”, como você diz. A pergunta foi meramente retórica, no intuito de incitar a participação, fazer com que as pessoas opinassem.
    Mas, se você parar para analisar bem, ninguém aqui está CRITICANDO ninguém, o texto é apenas um contraponto àquelas pessoas que acham que, porque um casal namora há bastante tempo, está “enrolando”, quando, na verdade, pode estar apenas planejando, comprando uma casa ou apê, pagando a festa de casamento, etc., como você citou o seu próprio exemplo.
    Foi só isso que o texto quis mostrar.

  • Juliana disse:

    O amor é algo incrível.. não existe regras, não existe tempo, não existe hora certa.
    Existe algo que está dentro de nós, que as vezes é mais forte do que a própria razão.
    Cada caso é um caso.. o meu foi ao contrário. As pessoas praticamente dizziam assim: “Meu Deus casar tão nova…” (eu tinha 18 anos), “Ué, vc está grávida?..” (Não eu não estava grávida, e ainda não estou rsrs).. “Mas vcs namoram a tão pouco tempo…” (marcamos o casamento com 9 meses de namoro) ..”Vão morar onde??…” (Num cantinho no fundo na minha sogra, mas hj já compramos nosso apto) ..
    Gente é sempre assim.. para quem está de fora do relacionamento do casal é fácil criticar, é fácil questionar. mas cad um tem seu tempo, seja ele muitos anos de namoro, ou pouco, o que importa mesmo é estar feliz, independente dos outros.
    Hoje estou com 4 anos de casada… feliz e amando e isso é o que realmente importa.♥

  • Thaise Pregnolatto disse:

    De maneira nenhuma me ofendo. Senão nem entraria no mérito. Só que você diz que não está criticando, quando na verdade o seu texto termina dizendo: E você aí, acha que o negócio é casar logo mesmo, ou que o importante é ter os pés no chão e dar passos lentos, porém certos? – que claramente mostra que existem duas opções: casar logo ou dar passos lentos e certos. Dessa forma, o casar logo pressupõe falta de certeza. Veja bem, é o que diz seu texto. Pode ser que você não tenha querido dizer isso, mas disse. E é aí que eu discordo – e outras pessoas que se manifestaram aqui, adeptas do que você chamou de “casa logo mesmo” e que deram passos tão ou mais certos do que alguém que deu passos lentos.

    Esse é meu único problema com o texto. De resto, estou de acordo com tudo: tanto que comecei o meu posicionamento falando sobre quem se mete na vida dos outros…

  • Rafael R disse:

    Sério? Tudo isso por causa de UMA frase no final?
    Fica o convite pra expor a grande diferença dessa frase num post novo, que será ilustrado e mostrará todo o impacto que uma mísera frase fez na sua vida e as diferenças sobre “casar logo”, “casar certo” ou “fazer dar certo no tempo que precisar, seja o tempo que for”.

    Ambos convidados, tanto pra escrever sobre quanto pra comentar depois.

  • Thaise Pregnolatto disse:

    Pergunte a Machado qual a importância de uma frase… ;)

    Sei lá, acho que anos e anos de análise semiótica me deixaram assim. Não me levem a mal, por favor. É que eu realmente gosto de uma boa discussão. Abrem a cabeça e te fazem olhar outros pontos de vista…

  • Rafael R disse:

    Ai que ta Thaise, eu acho tanto que vale a pena esse debate que to disposto a ler uma resposta a esse post (ou essa frase), pois como falamos, tem vezes que ser didático por aqui vale muito a pena. É totalmente o caso dessa repercussão toda, né?

  • João disse:

    Conheci minha namorada através de uma amiga. Fomos apresentados e como eu tinha um certo conhecimento em psicologia, ela quis conversar comigo porque teve um problema de agressão física sexual. Ela é separada e tem um filho de 10 anos.
    Confesso que desde então eu nunca havia namorado por esse tempo : 2 anos. . Até então, eu só tivera curtos e exparsos relacionamentos.
    Tenho vontade de ajudar e ela foi se chegando a mim até que disse que estava gostando de mim. Eu não havia pensado nela como mulher, embora como para todos os homens tal questionameto sempre ocorra nem que momentaneamente. Daí pensei , porque não ? De momento não era a pessoa que eu tivesse idealizado fisicamente falando mas não deixava de ter qualidades como pessoa. Sou uma pessoa que acredita que o diferente não é impedimento, não cultivo preconceitos de nada.
    Fiquei ao mesmo tempo envergonhado porque uma pessoa do mesmo sexo que eu havia feito tanto mal a outra.
    Começamos a namorar . Ela tem apartamento próprio. Comecei a ir a casa dela . Ela mora numa cidade a 25km da minha. Comecei a ficar com ela ainda mais nos fins de semana. O filho ia dormir na casa da avó. Pensei que o trauma vivido fosse aflorar quando estivéssemos juntos mas não aconteceu . Fui sempre o mais compreessivo e delicado possível com ela.
    A familia dela me recebeu muito bem. Embora eu seja um tanto retraído.
    O tempo passou e vieram as cobranças para casar . Eu sempre voltava pra casa depois dos fins de semana ou ia no meio da semana. Ela nunca me disse diretamente mas fiquei sabendo que tinha pesadelos imaginando que alguém fosse invadir o apartamento a noite.
    Eu não exitei quando quis namorar com ela. Ela passou a me questionar pra ir morar de vez com ela . No começo eu quiz , até em pouco tempo, mas ela disse que queria ver a adaptação ao filho. Mais um tempo, festas de família constantes ( caso eu chegasse atrasado ou não viesse, desencadearia outra mágoa: o ex marido fazia isso e a familia onde todos são casados a viam como a coitadinha do grupo). Tenho péssimo hábito de trabalhar demais e estar cansado pra sair, algumas vezes. Daí ela passou a dizer que tenho duas vidas : uma na minha cidade , no trabalho e outra na dela , quando estamos juntos.
    Brigamos uma vez porque ela queria dar um tempo e eu perdi a calma , falando que dar tempo sugere término. Então que terminássemos. Ela prontamente comprou a briga. Logo depois eu a procurei e conversamos. Ela estava muito insegura porque não queria que isso se repetisse: um novo divórcio na vida dela. Tem que dar exemplo ao filho.
    Comecei a ficar tentado a conhecer outras pessoas , confesso. Ela é geniosa , sofre na TPM, tem enxaqueca e ainda assim carrega a mágoa de uma agressão sexual. Mas é uma guerreira, trabalha muito pra manter o filho e a casa e vai fazer nova faculdade.
    Ela sempre disse que me amava . Eu amo ela também , mas sou mais calado pra dizer.
    Ganhei mais um tempo e comecei a procurar móveis pro nosso quarto. Só que ela não sentiu segurança em mim . Me disse que não sou uma pessoa que se tenha confiança para casar, que ela já fez váriios pedidos para que eu viesse e não tive atitude, com dois anos já passados. Tivemos momentos muito bons viajando, saindo pra jantar…
    Minha família (minha mãe) não gostou da possibilidade da união , porque ela é descasada e com filho.
    Acho que se amando não há um tempo muito curto, nem muito longo para que se casar.
    Fui dispensado

  • Ana disse:

    Nem me fale nessa perguntinha mais que chata! Eu já sofri muito por ter escutado tantas vezes isso, afinal tenho 22 anos e comecei a ficar com meu namorado quando tinhamos apenas 13 anos! sério, foi meu primeiro beijo, primeiro amor, primeiro tudo! porém terminamos com uns 17 anos e depois de dois anos voltamos e estamos juntos novamente, e sabemos o que queremos senão não estariamos mais juntos, temos o mesmo objetivo: ficar juntos.
    Porém ele faz faculdade, são 6 anos!! ele está no fim do terceiro ano, ou seja, mais longos tres anos de pura engenharia pela frete, é uma faculdade cara, então não juntamos NADA ainda pra casar, eu sei que pode ser errado, ou parecer errado à vocês, mas, não sobra dinheiro, ou agente guarda o que sobra e não sai nem pra tomar uma cervejinha no bar da esquina ou agente espera o tempo ajudar! Já entrei em crise, com tanta gente falando, caramba, faz tanto tempo e vcs não tem nada! muito complicado, ninguém começa a planejar uma vida de casado aos 13 anos, acho que estamos planejando sentindo maturidade para tal agora.
    Quem enche muito o saco eu respondo, se você pagar o casamento, festa, me dar casa mobiliada, eu caso. simples assim :)

Participe! Deixe sua opinião.


Para sua foto aparecer nos comentários:

1. Crie uma conta no www.gravatar.com;
2. Escolha uma foto de sua preferência;
3. Certifique-se de preencher o campo 'email' com o mesmo email cadastrado lá;
4. Pronto! Sua foto irá aparecer em diversos blogs que utilizam o gravatar nos comentários!

Antes de comentar aqui, lembre-se:

* Você é inteiramente responsável por suas palavras, pense direito sobre o que vai escrever.
* Lembre-se que pessoas como você escrevem esse blog, respeito é sempre bom.
* Os comentários dependem da aprovação dos administradores desse blog, isso pode levar algum tempo.
* Nossa intenção é interação com os leitores, suas palavras aqui não serão em vão.

Assim que terminar de escrever o comentário, de um sorriso e clique em "Comentar logo". :P

Adicione seu comentário abaixo, ou retorne para os posts. Você pode comentar subscribe to these comments via RSS.

Seja simpático. Mantenha-se limpo. Permaneça no tópico. Sem spam.

Vocêpode usar as tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>