Home » Coisas dela, Relacionamento

Para cada noite, seu miojo

4 julho 2012 4 Comentários       Postado por Ele / Ela

Por: Polly Moraes / @pollyalihana

Amar apaixonadamente sem ser correspondido é que nem estar num barco e enjoar: você acha que vai morrer mas nos outros só provoca risadas”, eu li certa vez do escritor Alejandro Gándara, que teve uma lucidez esmagadora ao escrever isso. É mesmo: sofrimentos amorosos costumam provocar nos espectadores um sorrisinho meio gozador, meio piedoso. E, apesar desse comportamento dos outros, a dor de um amor desprezado é tão aguda! É um desespero que deixa doente, uma desolação que deixa vazio. Parece curioso que os seus amigos não levem muito a sério um sofrimento que para você é tão profundo; e ainda mais curioso que você também não se comova demais quando quem sofre são seus amigos. Porque será que, quando não estamos mergulhados no martírio do desamor, damos tão pouca importância a essa desgraça? Será que no fundo da nossa consciência sabemos que a paixão amorosa é um invento, um produto de nossa imaginação, uma fantasia? E que, por isso, essa dor que nos queima por dentro é de alguma maneira irreal?

Como uma pessoa apaixonada, vivi repetidas vezes essa insuportável dor amorosa que afinal você acaba sempre suportando.

Meu primeiro amor, que eu me lembro bem do sofrimento, foi aos 15 anos. Como eu ainda era muito jovem, estava convencida de que nunca jamais em tempo algum encontraria um homem de quem gostasse tanto. Os outros varões da Terra desapareceram para os meus olhos: três bilhões de seres se apagaram de repente. As outras vezes que eu sofri foram bem parecidas com essa primeira vez: era um sofrimento tão obsessivo e doía tanto que tive que me esforçar para não pensar nele. Suportava a minha dor como se estivesse atravessando um campo minado: quando pensava em outra coisa, a vida prosseguia com normalidade, quase feliz. Mas de quando em quando alguma coisa me fazia pensar nele, ou seja, pisava numa mina sem querer: e a explosão me deixava com as tripas de fora durante certo tempo.

Para cada noite, seu miojo

Mas a vida é tão tenaz que, passando alguns meses, até mesmo essa dor inesgotável se esgotou. Os três bilhões de homens terrícolas tornaram a materializar-se no planeta e eu me apaixonei e desapaixonei por alguns deles diversas vezes.

Recentemente, eu me vi novamente frente-a-frente com o amor da minha vida aos 15 anos. Ele me reconheceu, me cumprimentou. Trocamos algumas palavras. Eu percebi que não havia sobrado nada do que eu amei nele aos 15 anos. Eu lembro desses momentos de desolação, ou melhor, de desespero. Não se consegue pensar na pessoa sem sentir um gosto de metal na boca… Algo arde ferozmente dentro da gente quando a gente perde um amor, ou é desprezado, ou abandonado. Como se nosso coração se transformasse numa lesma na qual jogaram sal.

No fim, eu me rendo. Após ficar alguns meses jogando as luzes deslumbrantes da paixão sobre um dos três bilhões de homens da face da Terra, apago os refletores e decido esquecer. Passo algum tempo procurando em outros homens, sem querer (?), a mesma cor de olhos, lábios parecidos… depois, tudo começa a se perder no horizonte até ser engolido pela linha do tempo.

Se já não me reconheço a mim mesma na garota de 15 anos que fui, como posso reconhecê-los, que sempre foram estranhos?

Um dia você está olhando conjunto de panela e pesquisando preço aluguéis de casas com seu namorado e no outro está solteira em casa fazendo miojo e escrevendo pra um blog. É a vida, gente.

Related Posts with Thumbnails
4 Comentários      Postado por Ele / Ela
­
­

4 Comentários »

Participe! Deixe sua opinião.


Para sua foto aparecer nos comentários:

1. Crie uma conta no www.gravatar.com;
2. Escolha uma foto de sua preferência;
3. Certifique-se de preencher o campo 'email' com o mesmo email cadastrado lá;
4. Pronto! Sua foto irá aparecer em diversos blogs que utilizam o gravatar nos comentários!

Antes de comentar aqui, lembre-se:

* Você é inteiramente responsável por suas palavras, pense direito sobre o que vai escrever.
* Lembre-se que pessoas como você escrevem esse blog, respeito é sempre bom.
* Os comentários dependem da aprovação dos administradores desse blog, isso pode levar algum tempo.
* Nossa intenção é interação com os leitores, suas palavras aqui não serão em vão.

Assim que terminar de escrever o comentário, de um sorriso e clique em "Comentar logo". :P

Adicione seu comentário abaixo, ou retorne para os posts. Você pode comentar subscribe to these comments via RSS.

Seja simpático. Mantenha-se limpo. Permaneça no tópico. Sem spam.

Vocêpode usar as tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>