Home » Coisas dele, Histórias

Quando eu percebi, era tarde

4 outubro 2012 12 Comentários       Postado por Ele / Ela

Por: Anônimo

Minha história é um pouco longa, mas porque foram 4 anos intensos, foram sem dúvida os anos mais felizes da minha vida, e os que eu mostrei a mim mesmo o que eu realmente queria da vida.

Sempre tive uma dificuldade de me relacionar com as pessoas, perdi meus pais muito cedo e acabei não criando esses laços que a gente cria com a família, aos 19 anos eu já tinha saído de casa para me aventurar por aí, eu tinha a necessidade de fazer isso, viver sem ninguém, e provar pra mim mesmo que eu podia fazer tudo.

Depois de muito bater cabeça, aos 22 anos estava morando na casa da minha irmã e estudando, quando conheci uma menina da mesma cidade na internet. Eu nunca levei a sério conhecer alguém na internet, mas essa menina em especial chamou minha atenção, marcamos um encontro, em um bar famoso de Porto Alegre e nos conhecemos. Eu não tinha ideia do que fazia, mas desde o momento que eu a conheci eu me apaixonei, nós ficamos mais uns dois dias e e pedi ela em namoro (eu sei que foi totalmente precipitado, mas nem eu entendi como consegui tomar uma decisão dessas).

Pois esse relacionamento que começou adolescente durou 4 anos, nós nos conhecíamos tanto e sabíamos quando um de nós não estava bem só de olhar. Ela tinha depressão, eu nunca tinha me preocupado com alguém antes, foi muito difícil para mim entender como funcionava a doença, eu era inexperiente nesse assunto. Muitas vezes eu ficava realmente muito irritado, pois nossa vida sexual ficava abalada por causa da doença, mas eu amava muito ela, e segurava a onda como uma pessoa legal deve agir.

O problema foi que sempre fui mais maduro que ela, como mencionei, aconteceram coisas muito cedo comigo, aprendi com a vida muito cedo, e amadureci muito cedo. Ela não havia passado nenhuma dificuldade financeira, nem nunca teve que se virar sozinha, mas eu amava ela, apesar dessa diferença de maturidade.

Depois dos dois primeiros anos de namoro, que foram maravilhosos, começamos a nos “estranhar”. Eu comecei a perceber que ela não dava tanta importância para o relacionamento como eu dava, lembro que eu fazia uma malabarismo com meus horários para poder ver ela uma vez na semana, e ela às vezes dormia sem se quer me dar um “oi”. Eu relevava porque ela me falava que era a depressão. Eu entendia isso e tocava o barco, mas comecei a ficar inquieto, queria uma pouco mais de maturidade dela. Ela não fazia planos, passava o dia em casa, às custas dos pais, e isso não fazia bem para ela e nem ao nosso namoro.

Sempre apoiei o que ela queria fazer, que era estudar para passar no vestibular, até porque eu também queria isso. Foi quando comecei a perceber que a depressão não aparecia quando ela ia sair com as amigas, que a amiga dela ligava e na mesma hora ela se levantava. Nas primeiras vezes que vi isso, me irritei profundamente, depois percebi que era um sinal que as coisas não iam bem. Tentei mudar, me tornar mais interessante,  eu já estava há um ano trabalhando no mesmo lugar e isso era uma vitória para mim, estava ganhando bem, então resolvi pedir ela em casamento. Gastei todas as minhas economias em uma aliança, que ela escolheu certa vez em uma brincadeira na frente de uma joalheria, e noivamos (sem dúvida um dos dias mais felizes da minha vida).

Depois que noivamos, as coisas estavam melhores ainda, eu estava feliz, e ela também, a depressão passou nós começamos a sair mais. foi uma época muito boa. Alguns meses depois de noivarmos, tive as duas mais difíceis escolhas da minha vida: recebi uma proposta da empresa onde eu estava para ser gerente em outro estado, conversei com ela, ela não queria ir para lá, e eu não queria ir sem ela. Passei no vestibular para Economia em uma Universidade Federal, em uma cidade distante, conversamos e eu fui para preparar o terreno,  e ela iria depois.

Despedida

As coisas na nova cidade não foram muito legais, eu ganhava pouco não conseguia vê-la, ela estava em depressão, e eu me sentia culpado por isso. Ela me confessou que não tinha vontade de ir comigo para a cidade, e a segunda decisão mais difícil da minha vida foi quando abandonei a faculdade.

Depois que voltei, ela melhorou, teve um outro ânimo, mas meu inquietamento quanto à maturidade dela ainda estava complicado. Eu já ia fazer 25 anos e ela 23, eu pensava que nós estávamos noivos, e que tinha que trabalhar para poder comprar nossa casa, e ela na depressão tentando se erguer. Eu lutei muito, fiz ela levantar da cama, estudar, e quando vi a oportunidade dela, as inscrições no vestibular, eu paguei a inscrição dela e disse para ela ir (foi uma das poucas vezes que disse a ela o que ela deveria fazer). Foi um dos dias mais felizes da minha vida quando vi o sorriso dela me dizendo que havia sido aprovada.

Ela entrou pra faculdade, eu também entrei em outra e as coisas iam bem. Porém, o mesmo problema apresentava-se e outra forma: agora na sextas quando ela chegava da aula, estava sempre cansada e ia dormir, eu viajava duas horas de ônibus na sexta-feira, às vezes só pra ganhar aquele beijo, sabe?

E o problema é que quando eu não estava, ela tinha disposição pra sair o final de semana todo. Eu comecei a criticá-la, pedindo mais responsabilidade, acabei dizendo que estava levando o namoro nas costas. As brigas duraram 4 meses, e ela me dizia que se sentia presa há um ano, eu não entendia, logo eu, que sempre fui livre, prendendo alguém? Eu explicava que não me importava que ela saísse com as amigas, eu confiava plenamente nela, queria que ela entendesse que eu não queria prendê-la, mas queria que ela se importasse um pouco comigo.

Em um final de semana, um mês atrás aproximadamente, nós tivemos uma briga feia porque ela não queria sair, estava com sono, demos um tempo. Uma semana depois, eu telefonei para ela pra saber o que podíamos fazer, e ela me disse que estava com sua amiga. Meu sangue ferveu, me irritei profundamente, a acabei por brigando com ela por telefone. No sábado de noite liguei pra me desculpar, era 1 da manhã e ela estava na casa da sua amiga, ficou rindo da minha cara e não falava coisas com nexo, fiquei bem chateado. No domingo ela me contou que estava chapada e por isso estava daquele,jeito, eu não fiquei irritado com ela, eu fiquei chateado foi com a amiga dela, que sabe da depressão, sabe que ela é propensa a viciar, nunca tive preconceito com drogas, mas sabem o que drogas fazem com pessoas depressivas?

Disse a ela que deveria conversar com os pais dela, ou que eu faria isso, ela ficou terrivelmente
irritada e desligou. Quando telefonei para ela de noite estava um jogo de sinuca (minha lógica nunca me deixou na mão, descobri depois que ela estava com a amiga e seu namorado, e um amigo do namorado). Minhas confiança ficou abalada, eu questionava minha capacidade de administrar aquela relação, liguei para ela e terminei por telefone (eu sei que não foi nada maduro, mas já estava explodindo de raiva).

Ela me ligou pediu pra não terminar que ela precisava de um mês pra pensar. Eu obviamente aceitei isso. Três dias depois ela me liga, dizendo pra eu buscar meu cachorro e que podia vender as alianças.

Nesse momento estou destruído  a minha vida toda eu não quis família, porém com essa pessoa eu finalmente descobri o quanto eu queria ter meu filho e minha filha. Nunca senti isso por namorada nenhuma, está muito difícil conviver com isso. Porém, de todo mal se tiram algumas conclusões, eu consegui realmente entender algumas coisas minhas e dela.

A primeira é que perdi o amor da minha vida ao exigir algo que ela não podia ter, a maturidade que eu possuo no momento. A segunda é que eu não devia ter me deixado amar tanto, isso me prejudicou muito. A terceira é: nunca bata boca com a melhor amiga de namorada, isso será o fim do seu relacionamento.

Espero que gostem, é um relato extenso, mas é muito difícil a gente “zipar” nossa alma.

Related Posts with Thumbnails
12 Comentários      Postado por Ele / Ela
­
­

12 Comentários »

  • Morgana disse:

    Amigo, vai me desculpar, mas pela tua história ai, essa tua ex-noiva não é depressiva nem imatura, é uma baita de uma mimada, isso sim!

    Aonde é que já se viu uma garota de 23 anos não querer fazer nada na vida, e quando começa a estudar, ainda fica toda “deprimida”.

    Sabe que eu aos 18 anos acordava 6 e meia da manhã, fazia chuva ou fazia sol, pegava um ônibus e ia trabalhar. Saia as 18 horas do trabalho, pegava outro ônibus e ia pra faculdade. Saia da faculdade as 10 e meia, outro ônibus pra ir pra casa… chegava em casa só 23h15, me arrumava pra dormir e ainda tinha tempo pra falar alguns minutos com o namorado no telefone, depois dormir pra no outro dia começar tudo de novo…
    Só via o namorado fim de semana, mas nunca entrei em depressão por causa disso!

    Na idade da tua namorada eu já era formada, já tinha meu próprio carro (que comprei zero Km) e estava começando a Pós-graduação.
    Você pode me dizer: ah mas não é fácil pra todo mundo!

    Posso te garantir que não foi fácil pra mim também, não é fácil pra ninguém na verdade. Lembro de um dia que eu voltava pra casa depois da faculdade, estava chovendo, eu estava na calçada andando com minha sonbrinha e um carro passou e me molhou toda… isso as 11 da noite. Eu sentei na calçada e comecei a chorar desesperadamente, naquele momento eu pensei “porque eu tenho que passar por tudo isso?”. Mas a grande diferença entre uma pessoa que não consegue, e a outra que nem tenta, é que a que consegue pelo menos tem força de vontade… enquanto que a que nem tenta, prefere ficar sentado no bem bom curtindo a vida e ganhar tudo de mão beijada dos outros (ela ter ficado chapada na casa da amiga e ter te distratado pelo telefone, foi o fim né amigo!)

    Acho que tu tem sorte de ter se livrado dessa mimada… pode ter certeza que tu encontra MULHER de verdade muito melhor!
    E essa história de depressão já virou modinha pra fugir das responsabilidades… quem tem depressão toma remédio e faz acompanhamento com médico psiquiatra… se não for esse o caso, então é frescura e preguiça!

    Pronto falei!

  • Amanda Roldão disse:

    O texto tem um final triste. .. mas a história é muito bacana!

    Espero que você se recupere logo :D

  • Luciana disse:

    Nossa… realmente é muita maturidade da parte dele e não da parte dela.
    Num relacionamento, os dois lados devem refletir sobre o que vale ou não à pena… e com certeza acima de tudo temos que tentar fazer dar certo. Ele fez a parte dele.

  • Jadson disse:

    apesar do risco assumido, não foi um erro ter cobrado essa maturidade. Quanto a se apaixonar, a vida é curta, devemos viver cada paixão com a intensidade que se quer… E bater boca com a “melhor amiga” da namorada, depende muito… afinal, tem “melhor amiga” que abusa.

  • Anna disse:

    Eu concordo plenamente com a Morgana.
    E só acrescento que você parece ser alguém de bom coração, decidido e forte. Não deixa isso te abalar. Eu nem ao menos te conheço, mas sem ser clichê, você merece alguém que saiba aproveitar a pessoa boa que você é.

    Boa sorte.

  • Jessica disse:

    Deixa de besteira rapaz! Você fez tudo que era certo, qual mulher não iria querer um cara assim! Ela que estava errada, não soube aproveitar nada de bom que o vida lhe deu: faculdade, amor, noivado!
    Ela colherá o que plantou! Ela não podia te amar, porque ela nem amava a si própria.
    E você com certeza terá um novo amor, todos têm! Não fique encanado, nem procurando, nem comparando o seu amor pelas pretendentes com essa daí, o amor se firma a cada dia, diferente do que aconteceu nesse caso!

  • Leonardo Silva disse:

    Bom antes de mais nada, gostei muito do relato e da proposta deste Blog.
    Parabéns. Agora vamos aos fatos:
    Concordo com a Morgana, isso não é ser depressiva e sim imatura.
    Amigo acho que você fez todo o possível e sinceramente, acho que você até o que não deveria. Pelo que você relata quando a proposta de emprego em outra cidade apareceu você já sentia que não era recíproco e memso assim abriu mão de tudo. E depois fez a mesma coisa com a faculdade. Acho que de certa forma o seu amor te deixou cego e você não pode perceber que ela não tinha os mesmos interesses que você.

    Boa sorte na sua nova caminhada e até q enfim você enxergou que ela não te merece! Aliás, pra merecer alguém ela terá de amadurecer muito ainda.

  • aline disse:

    Me identifiquei muito com sua história, pois tambem passei algo parecido com meu relacionamento de 4 anos!
    Mas posso te garantir que essa dor que voce ta sentindo agora, vai passar! Pq o tempo ajuda a gnt a abrir os olhos e enxergas as coisas.

    Não se feche para novos relacionamentos. Da mesma maneira que voce nao tinha perspectiva de amor e familia, e sua EX fez voce mudar de idéia, vai aparecer alguem novamente.

    Voce fez sua parte e seu melhor, isso é o mais importante :)
    pode ter certeza que a unica arrependida nessa historia será ela.

    E essa historia de depressão pode ser mentira ou uma simples desculpa. Será que ela sabe o que REALMENTE significa depressão?!

    Fique bem e continue em frente : )

  • César disse:

    Sinto muito amigo, mas você deu uma de trouxa, cadê seu orgulho?

    Ela simplesmente ditou as regras e você aceitou, mudou demais por alguém que não fez nem metade disso por você, esse seu relacionamento era uma via de mão única, e só quem andava pela via era você.

    E você não perdeu nada, só se libertou das algemas que prendiam e atrasavam sua vida…

  • Marcos Filipe Lino disse:

    Cara, você é um homen você fez o que é certo as pessoas não valorizam o que tem e se arependem depois, parabéns pelas suas atitudes.

  • Franciane Soares disse:

    Nossa, me vi nessa história! Igualzinho eu e meu ex, eu tenho 23, ele 21, super imaturo, na fase da gandaia, farra, amigos, estuda o dia todo, depende dos pais e não trabalha. Foi um ano de tentativas da minha parte, até q eu desisti!
    Vc fez o q podia e não podia. E por mais dificil que seja, eu te garanto, essa dor passa! ;) Beijinho!

  • Luis disse:

    Meu Camarada,
    São coisas deste tipoque não conseguimos entender nas pessoas e particularmnte nas mulheres. Creio que você tem todas as qualidades para viver um grande amor. Esqueça esta relação e vamos aiante (sei que falar assim é facil para quem está de fora mas, é a solução).

Participe! Deixe sua opinião.


Para sua foto aparecer nos comentários:

1. Crie uma conta no www.gravatar.com;
2. Escolha uma foto de sua preferência;
3. Certifique-se de preencher o campo 'email' com o mesmo email cadastrado lá;
4. Pronto! Sua foto irá aparecer em diversos blogs que utilizam o gravatar nos comentários!

Antes de comentar aqui, lembre-se:

* Você é inteiramente responsável por suas palavras, pense direito sobre o que vai escrever.
* Lembre-se que pessoas como você escrevem esse blog, respeito é sempre bom.
* Os comentários dependem da aprovação dos administradores desse blog, isso pode levar algum tempo.
* Nossa intenção é interação com os leitores, suas palavras aqui não serão em vão.

Assim que terminar de escrever o comentário, de um sorriso e clique em "Comentar logo". :P

Adicione seu comentário abaixo, ou retorne para os posts. Você pode comentar subscribe to these comments via RSS.

Seja simpático. Mantenha-se limpo. Permaneça no tópico. Sem spam.

Vocêpode usar as tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>