Home » Coisas dela, Histórias

Um conto de fadas underground

29 junho 2012 3 Comentários       Postado por Ele / Ela

Por: Carolina Bazzette

Era uma vez uma menina que tinha um dedo podre, mas muito podre mesmo, para o amor e seus derivados, um jeito outsider que sempre causou estranheza e um gosto bem peculiar em muitos aspectos. Ela era underground mas preferia samba, reggae e mpb do que todas as variações de metal que os outros ouviam. Ela gostava de praia quando o resto das meninas queria ser pálida como a Amy Lee, enfim, era uma desajustada…é bem assim que começa o meu conto de fadas underground, e essa menina, bem, sou eu.

Nunca fui a mais gostosa, feminina, delicada e misteriosa, mas também nunca fui a mais inteligente, dedicada, genial e musa do rock’n roll, eu simplesmente nunca dei para musa. Eu matava aulas para jogar RPG e Magic, jogar bola e ficar lendo, e quando ia para a sala, ficava viajando nos livros de Harry Potter, Bernard Cornwell e outras coisas que julgava mais interessante do que mols e logarítmos. Fui boba, mas isso não vem ao caso. Terminei o Ensino Médio em um supletivo, por causa de uma gama de humilhações que sofri no colégio, e tive que sair.

Imaginem que eu estava completamente destruída. Minha vida foi uma luta de boxe, e no meu ensino médio, eu admito, fui à nocaute. Com a minha depressão, a minha carência afetiva doentia e um gosto por fugir da realidade, eu comecei a jogar RPG potteriano, por ORB. Não, eu não conheci o meu marido lá, mas é uma informação relevante. Ai, to começando a me perder na história, mas vou tentar ser clara.

Alguns anos antes, quando eu era um bocado mais sensível e idealista e romântica, assisti um filme chamado “Monster – Desejo Assassino” e fiquei encantada, e mais ainda, chocada e sensibilizada com a personagem principal, e pra quem não sabe, se trata de uma história real de uma serial killer chamada Aileen Wuornos. Pesquisei na internet sobre ela, até que adicionei no orkut um fake da mulher (ai, vergonha) e passei a conversar com a “off” do fake, que se chamava Rose, que me contou que era borderline como a Aileen e tinha passado pelos mesmos abusos e mimimi. Romântica, sensível, e bissexual, fiquei apaixonada. Era era louca, segundo ela mesma, vivia sendo internada em manicômios, e morava em Sampa, sendo que sou do Rio. Mesmo assim, começamos a namorar, e em uma semana, eu já queria ir vê-la. Eu tinha uns 18 anos. Ela do nada disse que não queria mais e sumiu. Sofri por uns meses, depois deixei para lá. Várias experiências frustradas e traumáticas depois, eu conheci uma outra mulher, desta vez pelo RPG. Eu a achava um nojo, mas depois de ler seu blog sensível e sofrido, eu me apaixonei, e me joguei mais uma vez em um relacionamento onde o objeto do meu carinho tinha um coração em frangalhos como o meu.

conto de fadas underground

Bem, uma coisa sobre mim, é que eu gosto muito das mulheres. As acho bonitas naturalmente, compreensivas, doces e tenho tesão por algumas delas, mas sempre tive um fraco, uma queda, uma terrível predileção por um tipo MUITO específico de homem, que nunca havia aparecido para mim. Ele deveria ser magrelo (esquelético, para ser perfeito), branco-escritório, ter cabelos grandes e desgrenhados, nariz grande, ser do tipo sensível, excluidinho e rejeitado pelas mulheres, que toca violão jogado na praça, gosta de filosofia e dá umas bolas de vez em quando…dá para entender porque deu fail em todos os meus relacionamentos com o sexo oposto? Pois é, mas eu sempre fui obcecada por esse cara, esse cara que não existia, e se existisse, nunca me daria bola.

Bem, desisti dos homens, e engatei um relacionamento com a moça do blog, que também tinha um coração partido, e eu sempre fui completamente vulnerável a corações partidos. Nos demos tão bem. Gostos em comum, doçura, paixão, caráter, tudo, tudo o que queríamos estava acontecendo. Planejamos casar, ter filhos, escolhemos o nome dos filhos. Fiz minha família aceitar a idéia de que eu a queria para sempre, e nos envolvemos muito, muito mesmo. Só que tinha um problema, ela morava no Rio também, mas no Rio Grande do Norte. Sei que algumas relações à distância podem dar certo, mas com o nosso nível de realidade, e o nosso envolvimento (ela chegou a vir no Rio para me ver) fui tudo desmoronando por causa de saudade, carência, distância, mudanças de comportamento, e por fim, saco cheio mesmo. O nosso relacionamento tava uma merda, um poço de ofensas e tristeza, que me levou a um estado patológico de depressão aliado a alguns outros problemas. No meio de todo esse furacão, a Rose (lembra lá atrás, da off maluca da Aileen?) me adicionou no facebook, e eu, não tendo nada a perder nem a ganhar, aceitei.

Ela ainda era para mim um caso mal resolvido, um sonho de menina, uma mágoa. Foi então que a louca disse que ainda gostava de mim, que me queria de volta, e eu, carente, triste, desesperada, estava relutando em aceitar de volta na minha vida alguém que me magoou tanto, mas comecei a pensar, bem de longe na hipótese, quando do nada ela me diz que tinha namorado, e mais, queria ficar COM OS DOIS. Isso mesmo, minha gente, ela queria os dois. Aí eu me emputeci, porque ela não tinha mudado nada, e continuava uma fdp…e por um ímpeto de solidariedade, eu fui ver quem era o “corno” que ela queria fazer de otário. Sabe a descrição do meu homem ideal, lá em cima? Era ele, o cara era EXATAMENTE ele, o cara que ela queria fazer de otário, chifrar, e enganar, como fizera comigo era o homem dos meus sonhos, e morava há uns 40min. aqui do Rio, em Petrópolis, para quem conhece.

Meu coração disparou, eu senti um aperto no peito, tipo um “Start” intuitivo, voltei na janela da Rose e disse o mais improvável: “Eu aceito! Aceito esse relacionamento, com uma condição, tem que ser um relacionamento a três, morando na mesma casa e tudo!” não me julguem, eu precisava conhecer aquele cara, olhar, tocar, bater um papo, tomar um café, ver um filme com ele, e tudo o que eu queria era uma oportunidade, e agarrei a mais louca, porém única que tive. Aí a coisa começou a sair dos planos dela, que queria ficar com os dois separadamente, usando o argumento de que tinha “muito amor universal (ridícula)! Mesmo assim, falou com ele, que para minha surpresa e felicidade também aceitou, e depois de muita insistência dos dois lados, ela nos colocou em uma conversa a três no msn, onde eu descobri que ele era fã de Los Hermanos, Clube da Luta, e um monte de coisas que eu também era, tocava violão, era doce e másculo como eu imaginava que devia ser. Acabei a conversa mandando a poesia “O que é – Simpatia” de Casimiro de Abreu para ele, e então, acho que a partir daí, nos apaixonamos. Eu nem tinha terminado com a outra, eu nem sabia de mais nada, estava completamente boba com aquela situação toda, quando no dia seguinte, a coisa virou. A Rose mais uma vez, me dispensou, disse que tinha se enganado (de novo) e que não queria mais um relacionamento a três, e começou um joguinho para ficar com os dois, escondido, em que proibiu ele de falar comigo.

Fiquei decepcionada, e fui começando a ver tudo claramente. Ela estava roubando minha vida. Tinha até uma foto no facebook dela de um filme que amo, Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças, em que ela marcou eles dois, mas na verdade éramos eu e ele ali, claro. Eu não queria entrar em uma disputa, nunca quis, então pensei em abrir mão, e fui completamente. Disse a ele que ia me retirar como uma boa perdedora, porque eu não tinha chances, mas que eu não fui a destruidora de relacionamentos, que ela tinha me procurado e proposto isso, e não ao contrário como ela tinha dito a ele, e que eu tava muito encantada com ele, seria uma pena terminar tudo assim, sem nem ter começado. Mas mesmo confuso, culpado e sem entender nada daquela vida doida, além de claro, também ter um coração calejado, ele gostava de mim, e pediu para eu não “terminar com ele”.

Passamos algumas semanas com essa situação enrolada, conversando por telefone durante horas. Perdi noites de sono pensando nele, fiz poesias para ele, e ele me correspondia, descaradamente, apesar dos esforços da Rose para me eliminar. Lembro que ela escreveu no face dele um trecho de uma musica do Cazuza, que me magoou, e achei que ia funcionar: “As possibilidades de felicidade são egoístas meu amor. Ter liberdade, amar de verdade, só se for a dois, só dois.” e ela lá, que armou aquele circo todo, dizendo tudo isso. No final, o meu amor venceu, e ele foi no Rio me encontrar. Chegando na rodoviária para encontrá-lo, eu vi o desfecho do meu conto de fadas underground. O meu príncipe encantado, o cara que eu sempre sonhei, chegando todo descabelado, magrelo e desengonçado, com uma camisa xadrez desbotada, violão nas costas e um sorriso escancarado. Corri para ele e demos um beijo de cinema, com direito a levantada de pezinho e tudo.

Depois de uma semana fui morar na casa da familia dele, contra tudo e contra todos, deu merda com a minha familia, deu merda com a dele, foi só pedreira até aqui, mas hoje estamos há quase 10 meses juntos, morando na nooossa casinha (alugada, porém nossa) trabalhando e ganhando nosso dinheiro sem ninguém para atrapalhar, e tudo só torna nosso amor mais forte, como em um conto de fadas. E eu espero que vivamos felizes para sempre.

Quer participar do Diário de Casal e dividir a sua história com o mundo inteiro? Saiba como participar e não fique de fora!

Related Posts with Thumbnails
3 Comentários      Postado por Ele / Ela
­
­

3 Comentários »

  • Jéssica disse:

    Adorei o texto…adorei o final…quase chorei! Boa sorte pra vocês que dure muito, mas muitos anos o relacionamento :D

  • Juliana Trince disse:

    Isso me lembrou um pouco o filme vick cristina barcelona. Mas bem mais real life. Vida longa ao casal;)

  • Carolina Bazzette disse:

    Owwwwn, que bom que você gostou Jess *-* e você tbm Ju, obrigada! Fico radiante de que alguém goste da minha história. Não vi o filme, mas agora to morrendo de vooltade. Acho que vou sair do trabalho direto para a locadora hoje. hehehe

Participe! Deixe sua opinião.


Para sua foto aparecer nos comentários:

1. Crie uma conta no www.gravatar.com;
2. Escolha uma foto de sua preferência;
3. Certifique-se de preencher o campo 'email' com o mesmo email cadastrado lá;
4. Pronto! Sua foto irá aparecer em diversos blogs que utilizam o gravatar nos comentários!

Antes de comentar aqui, lembre-se:

* Você é inteiramente responsável por suas palavras, pense direito sobre o que vai escrever.
* Lembre-se que pessoas como você escrevem esse blog, respeito é sempre bom.
* Os comentários dependem da aprovação dos administradores desse blog, isso pode levar algum tempo.
* Nossa intenção é interação com os leitores, suas palavras aqui não serão em vão.

Assim que terminar de escrever o comentário, de um sorriso e clique em "Comentar logo". :P

Adicione seu comentário abaixo, ou retorne para os posts. Você pode comentar subscribe to these comments via RSS.

Seja simpático. Mantenha-se limpo. Permaneça no tópico. Sem spam.

Vocêpode usar as tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>